Perfil do Profissional Bacharel

As Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de Ciências Biológicas instituídas pela Resolução CNE/CES 7, de 11 de março de 2002 estabelece o perfil e as competências e habilidades a serem forjadas no percurso curricular. Em vista disto são definidos princípios que deverão nortear a estrutura do curso, segundo os quais o Bacharel em Ciências Biológicas deverá ser:

 

a)       Generalista, crítico, ético e cidadão com espírito de solidariedade;

 

b)       Detentor de adequada fundamentação teórica, como base para uma ação competente, que inclua o conhecimento profundo da diversidade dos seres vivos, bem como sua organização e funcionamento em diferentes níveis, suas relações filogenéticas e evolutivas, suas respectivas distribuições e relações com o meio em que vivem;

 

c)       Consciente da necessidade de atuar com qualidade e responsabilidade em prol da conservação e manejo da biodiversidade, políticas de saúde, meio ambiente, biotecnologia, bioprospecção, biossegurança, na gestão ambiental, tanto nos aspectos técnico-científicos, quanto na formulação de políticas, e de se tornar agente transformador da realidade presente, na busca de melhoria da qualidade de vida;

 

d)       Comprometido com os resultados de sua atuação, pautando sua conduta profissional por critérios humanísticos, compromisso com a cidadania e rigor científico, bem como por referenciais éticos legais;

 

e)       Consciente de sua responsabilidade como educador, nos vários contextos de atuação profissional;

 

f)        Apto a atuar multi e interdisciplinarmente, com flexibilidade frente à dinâmica do mercado de trabalho e às situações de mudança contínua do mesmo;

 

g)       Preparado para desenvolver idéias inovadoras e ações estratégicas, capazes de ampliar e aperfeiçoar sua área de atuação.

 

Importante ressaltar que a consciência de ter responsabilidade como educador (item e) não é atributo exclusivo da formação do licenciado, mas de todo profissional que exercerá atividade de liderança seja como pesquisador ou técnico de alto nível. É esta competência que lhe permitirá exercer, efetivamente, o seu papel de formador de cidadãos.

 

 

DAS COMPETÊNCIAS E HABILIDADES

 

a)       Pautar-se por princípios da ética democrática: responsabilidade social e ambiental, dignidade humana, direito à vida, justiça, respeito mútuo, participação, responsabilidade, diálogo e solidariedade;

 

b)       Reconhecer formas de discriminação racial, social, de gênero, etc. que se fundem inclusive em alegados pressupostos biológicos, posicionando-se diante delas de forma crítica, com respaldo em pressupostos epistemológicos coerentes e na bibliografia de referência;

 

c)       Atuar em pesquisa básica e aplicada nas diferentes áreas das Ciências Biológicas, comprometendo-se com a divulgação dos resultados das pesquisas em veículos adequados para ampliar a difusão e ampliação do conhecimento;

 

d)       Portar-se como educador consciente de seu papel na formação de cidadãos, inclusive na perspectiva sócio-ambiental;

 

e)       Utilizar o conhecimento sobre organização, gestão e financiamento da pesquisa e sobre a legislação e políticas públicas referentes à área;

 

f)        Entender o processo histórico de produção do conhecimento das ciências biológicas referente a conceitos/princípios/teorias;

 

g)       Estabelecer relações entre ciência, tecnologia e sociedade;

 

h)       Aplicar a metodologia científica para o planejamento, gerenciamento e execução de processos e técnicas visando o desenvolvimento de projetos, perícias, consultorias, emissão de laudos, pareceres etc. em diferentes contextos;

 

i)         Utilizar os conhecimentos das ciências biológicas para compreender e transformar o contexto sócio-político e as relações nas quais está inserida a prática profissional, conhecendo a legislação pertinente;

 

j)         Desenvolver ações estratégicas capazes de ampliar e aperfeiçoar as formas de atuação profissional, preparando-se para a inserção no mercado de trabalho em contínua transformação;

 

k)       Orientar escolhas e decisões em valores e pressupostos metodológicos alinhados com a democracia, com o respeito à diversidade étnica e cultural, às culturas autóctones e à biodiversidade;

 

l)         Atuar multi e interdisciplinarmente, interagindo com diferentes especialidades e diversos profissionais, de modo a estar preparado à contínua mudança do mundo produtivo;

 

m)     Avaliar o impacto potencial ou real de novos conhecimentos/tecnologias/serviços e produtos resultantes da atividade profissional, considerando os aspectos éticos, sociais e epistemológicos;

 

n)       Comprometer-se com o desenvolvimento profissional constante, assumindo uma postura de flexibilidade e disponibilidade para mudanças contínuas, esclarecido quanto às opções sindicais e corporativas inerentes ao exercício profissional.

 

 

DOS PRINCÍPIOS NORTEADORES

 

  • A estrutura do curso deve ter por base os seguintes princípios:

  •  

  • Contemplar as exigências do perfil do profissional em Ciências Biológicas, levando em consideração a  identificação de problemas e necessidades atuais e prospectivas da sociedade, assim como da legislação vigente;

  •  

  • Garantir uma sólida formação básica inter e multidisciplinar;

  •  

  • Privilegiar atividades obrigatórias de campo, laboratório e adequada instrumentação técnica;

  •  

  • Favorecer a flexibilidade curricular, de forma a contemplar interesses e necessidades específicas dos alunos;

  •  

  • Explicitar o tratamento metodológico no sentido de garantir o equilíbrio entre a aquisição de conhecimentos, habilidades, atitudes e valores;

  •  

  • Garantir um ensino problematizado e contextualizado, assegurando a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão;

  •  

  • Proporcionar a formação de competência na produção do conhecimento com atividades que levem o aluno a: procurar, interpretar, analisar e selecionar informações; identificar problemas relevantes, realizar experimentos e projetos de pesquisa;

  •  

  • Levar em conta a evolução epistemológica dos modelos explicativos dos processos biológicos;

  •  

  • Estimular atividades que socializem o conhecimento produzido tanto pelo corpo docente como pelo discente;

  •  

  • Estimular outras atividades curriculares e extracurriculares de formação, como por exemplo, iniciação científica, monografia, monitoria, atividades extensionistas, estágios, disciplinas optativas, programas especiais, atividades associativas e de representação e outras julgadas pertinentes;

 

Considerar a implantação do currículo como experimental, devendo ser permanentemente avaliado, a fim de que possam ser feitas, no devido tempo, as correções que se mostrarem necessárias.